EMAGREÇA JÁ!

Busca

Facebook

Instagram

Nosso livro

Artigos relacionados

Conteúdo Protegido

Conselhos postado por

Infidelidade x Humanidade

Infidelidade x Humanidade

Namoro há três anos, e, desde o ano passado, tive dois episódios de traição. O primeiro foi um cara que conheci em uma balada. É comum sair, apenas, com minhas amigas e amigos de balada, pois meu namorado não gosta das mesmas músicas que eu. Como temos muito amigos em comum, pedi para o “cara” que conheci na balada me acompanhasse até meu carro para que pudéssemos ficar juntos sem que ninguém nos visse, e ele foi. Nós transamos no carro, e depois o levei até a casa dele. Acredito que tenha feito isso por emoção e por estar a mais de dois anos com a mesma pessoa. Queria me sentir cortejada. Nunca mais eu tive nenhum contato com este cara.

O segundo caso, ocorreu em uma viagem que fiz a trabalho para o Rio de Janeiro. Conheci o Carioca em um bar e o chamei para meu quarto. Também, não tenho mais nenhum contato com ele, a não ser por tê-lo como colega no facebook.

O terceiro e último, foi um amigo do meu ex-namorado que convidei para tomar uma cerveja, e acabamos em um motel. Ele tem namorada, então, no dia seguinte, não tive que me preocupar se ele iria ligar ou mandar mensagem. Foi, absolutamente, natural nos ignorarmos.

As amigas que conhecem as histórias, disseram que eu deveria terminar com meu namorado, pois alguma coisa deve estar faltando no meu relacionamento. Porém, eu não tenho a menor vontade de terminar com ele. Acredito que ele deva ser a pessoa certa para que eu construa uma família. Realmente, eu desejo muito que ele seja o pai dos meus filhos devido o seu caráter. O que devo fazer?


Infiel leitora;

 Apesar dos seus escritos espantarem algumas leitoras, eles não guardam nenhuma anormalidade com o mundo real, onde as mulheres, namoradas, noivas e esposas não são seres assexuados, nem santas por dedicação, como acham melhor pensar seus parceiros. Antes que as pseudomoralistas me apedrejem, não quero dizer com isso que todas as mulheres são infiéis, mas sim que, a infidelidade feminina, é um fato normal, que faz parte do cotidiano de nossa sociedade. Cada uma com suas “desculpas”, todas são passíveis de cometer atos de infidelidade.

O ideal é que a traição não aconteça. Pois, na verdade, quem trai,seja homem ou mulher, além de enganar a si, se revela um ser humano sem controle das suas emoções, um animal que age por instinto, que não foi condicionado a ser um “ser social”. Agir racionalmente, ter o controle das nossas emoções é o que diferencia os seres humanos dos animais. Portanto, quando traímos, nos distanciamos daquilo que chamamos de “ser humano” e estreitamos nossos laços com as pré-disposições biológicas de caráter animalesco do nosso ser.

Porém, quando a infidelidade acontece, o que fazer? Primeiramente, é necessário avaliar o que há de errado no relacionamento, além de você. É… Além de você… Porque, o traidor, sem desculpas, já figura na parte errada do relacionamento. É necessário ser muito sincera na avaliação. Pois, a tendência é que se encontre inúmeros erros no relacionamento e defeitos no parceiro para justificar os atos de infidelidade, que, por si só, são injustificáveis.

Por conseguinte, é mister identificar se há um real interesse, uma vontade consistente refletida em atitudes para mudar o que está errado. Em síntese, reverter os pontos baixos do relacionamento e não cair mais em traição. Se houver alguma dúvida quanto a isso, a melhor coisa a fazer é deixar o individualismo, que é mais uma característica animal, de lado e abandonar o relacionamento.

Seguir esses passos de forma sincera e verdadeira não é uma tarefa fácil. Um número mínimo de relacionamentos resistiriam a isso… Você, por exemplo, perdeu até as contas de quantas vezes traiu seu namorado, pois no início do e-mail disse que foram duas vezes e relatou três. Não obstante,de forma psicopática, não vê problema nos seus atos, não passa por sua cabeça abortá-los e, além disso, pretende tornar o “cornelius chifrudus” pai dos seus filhos.

Nem preciso dizer que se lhe resta um pouco de respeito e amor próprio, assim como, para com os outros, se há um resquício de humanidade em seu ser, acabe logo o relacionamento.

Mr. P

Pedro Ivo Genú

Administrador e jurista por formação. Filósofo, psicólogo, escritor, blogueiro e esportista por predileção. Crê que o "caminho da vida" é a busca da evolução perpétua.
Responde dúvidas sobre os mais variados assuntos.
https://www.facebook.com/pedroivo.genu

Latest posts by Pedro Ivo Genú (see all)

  • http://www.aspalavras.com.br Marcio Oliveira

    Prezado Mr. P. Em primeiro lugar excelente POST (as always). Em segundo eu apontaria algumas coisas sobre essa história.

    Não creio que trair seja algo que ocorre a partir de um ser humano sem controle e que está agindo apenas como um animal. Isso dá a impressão que ter uma relação com alguém, mesmo com um compromisso seja algo que ocorre apenas e unicamente a partir de uma “coisa” que não controlamos. Em muitos casos na verdade, quem trai sabe muito bem o que está fazendo, como está fazendo, quando está fazendo e aonde está fazendo. Talvez o problema aí seja uma incapacidade de estabelecer um censo crítico sobre si mesmo e com relação ao laço que possa ter com outra pessoa a ponto de refletir melhor sobre a situação, mas que pessoas que fazem isso sabem muito bem o que fazem com certeza sabem.

    No texto da leitora a clareza é mais que evidente, o “errado” ai no caso é que o namorado dela não sabe de nada, não houve lealdade, respeito ao relacionamento de ambos. Não vou dizer que ela teria que terminar o relacionamento, mesmo porque tem a parte dele na história, mas eu diria que ela poderia abrir o jogo e se realmente essas relações extras são um tanto que “inevitáveis” porque então não poderia ser algo acordado entre os dois? Ou seja, já que ela pode, por que ele não poderia sair eventualmente com uma pessoa?

    Seria falso moralismo demais apenas enrijecer um conceito de relacionamento a partir de um esteriótipo estabelecido socialmente. Claro que ela está errada em não ser honesta, MAS se gostaria de ficar com ele, teria que escolher, ou fica com ele e abre o jogo e veja o que ele fala, ou abra o jogo e propõe uma relação aberta. Afinal de contas há receita para felicidade? Receita para se dizer que namoro só pode ser de tal maneira e não de outra?

    Enfim, é isso. Abraço!!!