Receba DICAS EXCLUSIVAS por e-mail

Digite seu e-mail acima e receba na hora dicas para entender mais sobre os homens

Imagem: http://www3.gazetaonline.com.br/_midias/jpg/2013/04/09/a1_min_ccbd-872437.jpg

Imagem: http://www3.gazetaonline.com.br/_midias/jpg/2013/04/09/a1_min_ccbd-872437.jpg

Já vou chegando enfiando o pé na jaca: para você, tamanho é ou não documento?

Há quem pense que sim, eu até então achava que não. Hoje eu respondo: depende. Desculpe-me as apaixonadas, mas estas só e queixarão do ‘tamanho minúsculo’ quando novamente solteiras: dor de cotovelo, ou anteriormente, síndrome do amor cego?

Eu, quando me separei, assim como um passarinho liberto, não sabia para onde voar, então me atrevi aos encontros furtivos na net. Estava procurando um cara que conheci numa boate, quando me deparei com o perfil do ilustre: porte atlético, treinador físico, separado, minha idade… Teclamos por quinze dias apaixonantes, e como tínhamos muitas afinidades, resolvemos acabar com a angústia da distância, que nem era tanta assim. Admito que presencialmente ele não era lá grandes coisas, mas mesmo assim ficamos.


A primeira transa foi acontecer  – ou quase – no terceiro encontro. Até então estávamos num barzinho, nos embebedando com a bebida dos apaixonados (vinho!!!), regado de músicas românticas que ele pedia para o cantor me oferecer. Eu, tola, caí feito peixe, e nem fiz doce para ele me levar aos ‘finalmentes’… fui fácil até precisar me despir. Então fiquei tão nervosa, tão envergonhada, que não sabia mais por onde começar, afinal, passei meus últimos quinze anos com o mesmo homem. Tentei tomar a iniciativa, mas ele não deixou, me intimidou por não querer certas intimidades, e isso me constrangeu ainda mais.

Poxa, foi como jogar um balde de gelo numa fogueira, afinal, pelas minhas contas, eu não trepava há mais de um ano! Quando finalmente alcancei e tomei entre as mãos o troféu… cadê ele? Poxa, não era hora  de esconde-esconde!  Agora falando sério, foi definitivamente decepcionante, nem o preservativo parava!! Fica a dica aos fabricantes: se produzem tamanhos extra-grandes, por que não pensar neste público também?!kkk

Retomando a tentativa frustrada, não durou cinco minutos; o infeliz teve a audácia de acrescentar que eu era fria, que as meninas que ele saía gozavam rapidinho.

Congela aí a cena. Imaginem minha cara de paisagem… simplesmente fiquei paralisada, perplexa, será mesmo que eu ouvi certo? Eu, geladeira? Ele realmente não me conhecia… Foi quando interrompi tudo, me sentindo ridícula por estar tão carente e sair me entregando ao primeiro babaca que apareceu.

Como já lhes adiantei sobre meu ‘temperamento apimentado’, óbvio que esse desaforo eu não levaria para casa! Resumindo, em poucos  minutos já estava pronta e de saída, mas não antes de jogar na sua cara que era mais que era evidente que ‘as meninas que saía’ gozavam rapidinho: era para acabar logo com o constrangimento de ter que aturar aquele projeto de pênis!

O clima nos dias seguintes ficou péssimo, eu também fiquei péssima por ter sido tão cruel, mas mesmo me sentindo assim, nunca mais atendi suas ligações. Fazer o quê, quem fala o que quer está sujeito a ouvir o que não quer!

Poxa, fiquei tão-tão frustrada, minha primeira aventura de solteira começou com o pé esquerdo! E agora?

Bem, claro que não foi dessa vez que desisti de ser feliz. Depois dessa vieram outras, algumas, várias… e com tamanhos para tudo quanto é gosto!

Uma coisa é certa, depois desse dia, mudou “de certa forma”, meu conceito de que tamanho não é documento. É CLARO QUE É SIM!!

E isso passou a ser tão importante por um tempo, que ao conversar com um homem interessante, logo olho em suas mãos… e por dois motivos: primeiro para constatar que ele não tenha ‘aquele’ defeitinho na mão esquerda, e a segunda (eu sei que esta é mito, mas na maior parte das vezes dá certo), para fazer o comparativo pois dizem que os dedos das mãos tem a mesma proporcionalidade do que você sabe o quê..hehe… e admito que já dispensei caras por terem as mãos muito pequenas!

Porém, lá no fundo, bem lá no fundo, no fundo do fundo, eu sei que na hora do vamos-ver, se rolar a química, se o cara tiver pegada e o encaixe for perfeito, tamanho pouco importa vai, mas desde que não se precise usar uma lupa!

E para vocês meninas, tamanho tem qual importância? Algum ‘menino’ se atreveria a dizer se sente-se inseguro quanto ao tamanho do seu pênis?

Volto logo mais para apurarmos juntos as respostas.

Bjs, Tati

O que achou do artigo?

comentários

Tati Daniel

Mulher bombril, mãetorista, consultora sensual e graduanda em psicologia

Receba DICAS EXCLUSIVAS por e-mail

Digite seu e-mail acima e receba na hora dicas para entender mais sobre os homens

Deixe seu comentário

    kkkkkkkkkkkk Realmente devo confessar que namorei um cara com o tamanho do meu dedo mindinho e pior, sem pegada… frustrei kkkkkkkkkk hoje realmente procuro analisar melhor o tamanho.

    Eu já saí com dois caras que o dito cujo era do tamanho do meu dedo mindinho. Não senti nada, ainda fiquei constrangida. Sinceramente, se eu tiver um filho, com 13 anos eu mando ele ficar pelado na minha frente. Porque se não estiver crescendo normal, eu levo no médico, ele tomar hormônio, enfim. Não tem que ser grande. Mas pequeno demais não tem condição! Chega do politicamente correto. Vamos falar a verdade, gente!

    Boa … Concordo ctg…

PEGUE-O NA MENTIRA

Descubra quando um homem está mentindo pra você! Digite seu e-mail abaixo e receba um VÍDEO GRÁTIS te contando todos os segredos.