A Morte

Hoje gostaria de compartilhar com vocês  sobre a morte.

Todos nós sabemos que ela é a única certeza na vida, mas ninguém se quer pensar nela. Ao pensar nela logo a reação vem, olhos arregalados, sinal da Cruz :

“- Deus me livre, cruz credo”.

Quando acontece com qualquer pessoas que não conhecemos , é mais fácil. O problema é quando ela acontece perto de você, alguém que você ama tanto.

Essa semana ocorreram dois momento relacionados com a morte  próximo a mim. Um fato e uma suposição.

mda banner 2

O fato, foi um amigo, moço jovem de 37 anos, casado com dois filhos, após um delicioso final de semana e dormir abraçado com sua esposa, acordou com dores no peito e teve um infarto e faleceu na hora logo pela manhã.

A suposição foi em um bate papo, a falta de tolerância com algumas atitudes dos familiares mais velhos. Mas imagina se eles morrem? Um pai , uma mãe e estar brigado com eles?

Nesses casos não há como remediar. Depois que acontecer não tem mais volta. É irreversível.

Acho que a lição de tudo isso, é aproveitar a vida, viver intensamente, perdoar por mais difícil que seja. Amar todos os dias as pessoas que você quer bem, sorrir de verdade, acabar com as brigas o quanto antes, para voltar a ser feliz novamente.

Eu digo isso sempre, temos mania de guardar o nosso pior lado para quem mais amamos. E isso é errado, não é porque em algumas vezes o amor é incondicional que ele pode ser maltratado, xingado e ofendido.

Além disso,  a parte mais importante nesse texto. Nós mesmos. A vida e a morte é um fio.

Será que realmente vale se estressar tanto no trabalho? Ou brigar tanto com o marido ou namorado arranjando problemas onde não existe? Se desentender com os pais, os avós e os irmãos?

Do que adianta? Onde tudo isso vai chegar? Gritar, berrar, chorar, espernear.

Vamos viver, buscar ser feliz, todos os dias. Podemos perder as pessoas tão facilmente e  a vida pode passar diante dos seus olhos, acabando em um piscar de olhos.

Karen F.

[email protected]

 

Segue a Tradução da linda música do Pearl Jam, abaixo:

 

 

Apenas Respire   Pearl Jam

Sim, eu entendo
Que toda vida deve ter um fim
Enquanto sentamos sozinhos,
Eu sei que um dia devemos partir
 
 
Oh, eu sou um homem de sorte
Em contar em ambas as mãos
Aqueles que amo
Algumas pessoas tem só uma,
Outras não tem nenhuma
 
Fique comigo
Vamos apenas respirar
Eu pratiquei todos os pecados
Que nunca vão me deixar vencer
Sob tudo,
Sou apenas um ser humano
Eu não quero mais dor,
Há tantas coisas nesse mundo
Que me fazem sangrar
Fique comigo, você é tudo o que vejo
 
Já te disse que preciso de você?
Já te disse que te quero?
Oh, se eu não disse eu sou um idiota, sabe?
Ninguém sabe disso mais do que eu
 
Que eu me abro honestamente
Reflito todo dia,
Enquanto admiro o seu rosto
Tudo que você doou
E nada que você tomaria…
Nada que você tomaria
Tudo você doou…
 
Já te disse que eu preciso de você?
Já te disse que eu te quero?
Oh, se eu não disse eu sou um idiota, sabe?
Ninguém sabe disso mais do que eu
 
Que eu me abro honestamente
Nada que você tomaria
Tudo você doou… 
Abrace-me até eu morrer
Te encontro do outro lado

Fonte: www.vagalume.com.br

 

Siga o CM nas redes sociais: Clique AQUI!


Jornalista, pós-graduada em Comunicação pela FIA-USP. Morei em NYC por um ano e tenho uma tatuagem escrito Liberdade. Amo viajar e a independência, mas já chorei muito por ficar sozinha.

5 comentários No A Morte

  • Eu não sou muito conformada com morte! Pearl Jam

  • Lindo texto Karen!!!

    A morte é mesmo algo bem complicado… eu me deparei com ela três vezes só no último ano e não foi fácil… minha comadre, uma prima e uma tia. Confesso que na primeira cheguei a questionar Deus… “por que?”
    Mas como diria um amigo meu, não podemos ser egoístas nessa hora. Às vezes a pessoa ta sofrendo com alguma doença e ficar “aqui” pode não ser a melhor alternativa… A família e os amigos sofrem junto mas ninguém entende quando a pessoa se vai… é triste, é doloroso, é irremediável…
    Mas não podemos esquecer que todos nós estamos de passagem por aqui…
    Concordo em gênero, número e grau com o que foi dito pela Karen… temos que aproveitar cada segundo de nossas vidas e nunca deixar pra depois pra dizer o quanto gostamos de alguém… Eu tenho trabalhado isso, minha mãe as vezes reclama que eu não digo tantos “te amo” como ela gostaria de ouvir e eu to tentando expressar isso mais vezes… afinal ela não vai estar comigo pra sempre… difícil pensar assim… mas é necessário.
    Na correria do dia a dia deixamos muitas coisas passarem desapercebidas… deixamos de fazer as coisas que temos vontade por “falta de tempo”, deixamos de estar com as pessoas que amamos “porque estamos cansados e sem pique pra sair” ou “porque vamos trabalhar amanhã de manhã”… bobagem! Nem sabemos se o amanhã vai existir…

    “É preciso amar as pessoas
    Como se não houvesse amanhã
    Porque se você parar pra pensar
    Na verdade não há…”
    [Legião Urbana]

  • Let’s just breath…… excelente karen. Parabéns! Acho interessante como a morte é tratada como algo que ainda está para acontecer sendo que a cada passo ela está presente. Morremos um pouco a cada dia ao mesmo tempo em que podemos viver mais a cada momento na intensidade daquilo que escolhemos para nossa caminhada.

    Não me refiro apenas ao fato de que um dia que se passa é um dia a menos, mas me refiro também à uma morte simbólica. Morremos quando não permitirmos ser nós mesmos em prol de convenções sociais, crenças infundadas, ou porque queremos fazer parte de um grupo.

    Morremos um pouco mais ao calarmos quando dentro da gente emoção e sentimento pedem para falar. Morremos quando permitirmos que a maldade, o egoísmo, a falta de opinião e criticidade nos invade, nos alienam e nos movem para um olhar cinza e poluído sobre as coisas.

    Morremos um pouco mais quando deixamos que o nosso cotidiano não passe de um mero instante entre o acordar e dormir, e as coisas que acontecem entre um e outro são meramente automatizadas, com “n” horários, obrigações e comportamentos padrões.

    Morremos um pouco mais quando não deixamos espaço para o inventar, o nosso inventar sobre nossas escolhas e acontecimentos e creio que nem precisamos ser da ciência para fazer isso. Aliás, nem a alfabetização é necessária nesse caso. Morremos quando enfim, o ato de ser humano não nos habita mais…

    até!

  • Nossa Karen disse tudo! Guardamos mesmo o pior de nós pra quem mais amamos..por que será? Quando na verdade devíamos dar mais atenção e carinho..pois sempre estão ao nosso lado pra tudo…
    é triste pensar na morte… mas aqui na terra estamos de passagem apenas..talvez de ”’ castigo”’, pra ver se evoluímos nossas almas.. se conseguimos ser anjos melhores…quando partirmos dessa pra outra.. tomara que melhor… eu acredito em vida após a morte… num outro plano… vejo a terra como espécie de aprendizado e quem não tem inteligência pra tirar proveito disso..sofre o depois.. nem que seja caindo aki novamente..
    A morte é a passagem pra uma nova vida…
    Contraditório neh.. eu diria que sim.. mas o que nessa vida não é ?
    Bjus!
    Parabens pelo post

  • Karen…e pensar que quando Deus nos criou nem pensou na morte, pensou na vida!
    Falar desse tema não é nada facil, vc o fez com muita delicadeza
    parabéns
    beijuss da sara
    Ah…e a banda Pearl jam..sem comentários amo escutar!

Deixe uma resposta:

Your email address will not be published.