Ciclo Menstrual e TPM – Parte 2

A seguir, apresentamos algumas definições.  Umas, bem técnicas sobre o funcionamento da menstruação e do ciclo menstrual, outras, bastante elucidativas quanto à forma como apresentam o que ocorre no período.

Alguns itens foram duplicados devido as diferentes formas de abordagem dos autores, razão pela qual optamos em apresentar alguns assuntos sob as diferentes óticas ou teoria.

Ovogênese – A ovogênese está ligada, como qualquer outro fenômeno metabólico, ao acionamento de hormônios ou hormonas, mediante o comando do complexo hipotálamo-hipófise.  Se a mulher for perturbada emocionalmente, poderia ter prejuízo em sua fertilidade.  Podemos citar as seguintes fases do processo:


a) Multiplicação ocorre no começo da ovogênese, que se dá ainda durante a vida intra-uterina, por mitose, (processo pelo qual uma célula dá origem a outras com o mesmo material genético) as células germinativas multiplicam-se, formando outras idênticas, chamadas ovogônias ou oogônias.

mda banner 2

b) Crescimento – nesta fase e ainda durante a vida intra-uterina, as ovogônias ou oogônias crescem para originar os oócitos I (oócitos de 1ª ordem, ovócitos I ou ovócitos de 1ª ordem).

c) Maturação – o que se pretende nesta fase é que, por meiose, se dê origem a uma célula haplóide contendo praticamente todo o citoplasma criado durante a fase de crescimento.  Esta fase é interrompida no seu início, por volta do nascimento da bebe, durante a prófase I, no diplóteno, sendo a tal interrupção chamada de dictióteno, e volta a ser retomada de uma forma cíclica a partir da puberdade até à menopausa.  No entanto a meiose (e em consequência a maturação) só será concluída se o oócito II em metafase II for fecundado por um espermatozóide, no final da qual vai ocorrer uma citocinese desigual, pois vai ser originada uma célula grande, o Óvulo (gameta) e uma muito menor, o 2º glóbulo polar (ou 2º corpúsculo polar) que vai degenerar.

Ciclo sexual, ciclo menstrual ou ciclo éstrico

O ciclo menstrual inicia-se no primeiro dia da menstruação, na sua primeira fase ocorre uma produção exclusiva de estrogênio pelo ovário e, logo após a ovulação, tem início a fase de produção de progesterona, conhecida também como fase lútea.  Esta fase do ciclo é fixa e a ovulação ocorre cerca de 14 dias antes do início da próxima menstruação.

O tempo de sobrevida do óvulo dentro das trompas, após a ovulação, não é bem definido, mas parece estar entre 12 e 24 horas.  Já os espermatozóides parecem ter uma sobrevida maior, variando de 24 até 96 horas.  Por isso os dias férteis começam antes mesmo da ovulação.

Ciclo ovárico

Até à puberdade existem no ovário estruturas constituídas pelo Oócito I imaturo envolvido por células foliculares a que se dá o nome de folículos primordiais.  Alguns destes folículos, e de uma forma cíclica a partir da puberdade até à menopausa, vão reiniciar o seu desenvolvimento.  Cada ciclo ovárico vai ter as seguintes fases:

Fase folicular – Alguns dos Folículos Primordiais reiniciam o seu desenvolvimento, mas normalmente apenas um o completa, degenerando os restantes. O folículo em desenvolvimento sofre várias transformações: O Oócito I que se encontra em Profase I vai completar o crescimento, ao mesmo tempo as células foliculares multiplicam-se e originam a Zona Granulosa, estas células são produtoras de hormonas (estrogênios) para além de nutrirem o Oócito I. Em torno do Oócito I forma-se um revestimento glicoproteico a que se dá o nome de Zona Pelúcida.  Com a evolução dos folículos forma-se uma cavidade cheia de líquido entre as células foliculares.  Tendo terminado o crescimento o Oócito I em Profase I completa a divisão I da Meiose após a Citocinese desigual forma-se o Oócito II e o 1º Glóbulo Polar. O Oócito II ainda inicia a Divisão II da Meiose, mas fica bloqueado na Metafase II.  Por esta altura o folículo completou o desenvolvimento e denomina-se Folículo Maduro ou Folículo de Graaf.  Todo este processo demora em média 14 dias.

Ovulação – O oócito II em metáfase II rodeado pela zona pelúcida e por algumas células foliculares é libertado da cavidade folicular para fora do ovário, sendo recolhido pelo pavilhão da trompa de Falópio.

Fase luteínica – Após a ovulação, cicatriza a parede do ovário e ocorre o pregueamento da parede do folículo.  As células foliculares aumentam então de volume e segregam um pigmento amarelo, a luteína que lhes dá uma cor amarela, formando-se deste modo o Corpo Amarelo ou Corpo Lúteo. Após mais ou menos 14 dias, se não tiver ocorrido fecundação, esta estrutura degenera.

Ciclo uterino

O endométrio, sendo a estrutura onde o embrião se deve fixar, a fim de completar o seu desenvolvimento, é então uma estrutura que sofre importantes modificações.  Ocorre então:

Fase menstrual (Início da fase folicular do ciclo ovárico) – em que ocorre a descamação da maior parte do Endométrio, que como é um tecido muito vascularizado, vai apresentar algumas hemorragias por rompimento destes vasos sanguíneos. Sendo os fragmentos do Endométrio e algum sangue eliminados através da vagina para o exterior, originando o Fluxo Menstrual (chamado muitas vezes erroneamente de sangue).

Fase proliferativa – terminada a eliminação do tecido velho, as células do Endométrio que restaram, voltam a multiplicar-se promovendo a sua regeneração.  Neste tecido em formação, formam-se glândulas tubulares e restabelece-se a rede de vasos sanguíneos.

Fase secretora – a espessura do Endométrio atinge um aumento tal, que as suas glândulas vão terminar o desenvolvimento, tornando-se mais sinuosas e ramificadas, começando a segregar glicogênio e muco.  Ficando o útero preparado para uma possível Nidação, caso tal não aconteça, reinicia-se o ciclo.

Regulação hormonal na mulher

A GnRH produzida pelo Hipotálamo vai estimular a produção de FSH e algum LH pela Hipófise.  Estas hormonas, que têm como órgão alvo os ovários, vão estimular neste a Fase Folicular e, por conseqüência, a produção de estrogênios (produzidos pelas células foliculares e pela teca interna e mais tarde pelo corpo amarelo, o seu principal órgão alvo é o útero).  Estes Estrogênios vão atuar no útero, estimulando a Fase Proliferativa, em que vai ocorrer o espessamento do Endométrio, juntamente com o desenvolvimento das glândulas tubulares e vasos sanguíneos.

Durante a Fase Folicular, a concentração de estrogênios vai ser mantida mais ou menos constante, graças a um processo de Retroação Negativa ou Feedback Negativo.  Neste processo, o aumento de estrogênios inibe a produção de GnRH e por sua vez de FSH.  Baixando a concentração desta hormona, diminui a produção de Estrogênios, que por sua vez, ao baixar a sua concentração no sangue vai estimular a produção de GnRH que estimula a produção de FSH, levando de novo ao aumento da produção de Estrogênios, e assim sucessivamente.  Até que por volta do final da fase folicular um aumento brusco dos Estrogênios vai provocar uma Retroação Positiva ou Feedback Positivo, a tal ponto que vai estimular ainda mais o Hipotálamo a produzir GnRH, que por consequência estimula mais a produção de FSH e muito especialmente de LH que vão desencadear no ovário a ovulação (mais ou menos 14º dia do ciclo).  A grande concentração de LH estimula a passagem do folículo a corpo amarelo (Fase Luteínica) e para além da produção de Estrogênios, passa também a produzir-se Progesterona (produzida pelo corpo amarelo tem também como seu principal órgão alvo o útero).  Esta hormona para além de continuar a estimular o espessamento do Endométrio vai estimular a secreção das glândulas do Endométrio, Fase Secretora.

O aumento da concentração de Progesterona e Estrogênios vai inibir a produção de GnRH pelo Hipotálamo (feedback negativo) que vai inibir a produção de FSH e LH; deixando esta última hormona de ser produzida, o corpo amarelo regride começando a degenerar e inibe-se a produção de Estrogênios e Progesterona.  Sem estas hormonas, o Endométrio deixa de ser estimulado e por consequência diminui o fornecimento de nutrientes às suas células por contração dos seus vasos sanguíneos.  As células do Endométrio morrem o que leva à destruição parcial do Endométrio, Fase Menstrual.

Caso ocorra fecundação, e por sua vez gravidez, o ciclo menstrual é interrompido, pois células do embrião produzem um hormônio (HCG) que impede que o corpo amarelo se degenere e o Endométrio por consequência é mantido.

Há que ter em conta que, tal como no homem, o Hipotálamo não é só regulado por via hormonal, mas também o é a nível nervoso, de tal modo que qualquer alteração a esse nível pode alterar por consequência também o ciclo menstrual.

Gravidez psicológica ou Pseudociese

Como o ciclo menstrual está intimamente ligado ao hipotálamo (o centro das emoções), um abalo psicológico ou alteração psiquiátrica poderia desencadear um desequilíbrio do ciclo menstrual, levando ao atraso menstrual.  Iniciando uma falsa gravidez com todos os sintomas de enjôos, dor nas mamas e aumento do abdome. O tratamento indicado é psicoterapia e, se necessário, intervenção psiquiátrica.

TPM (Tensão Pré-Menstrual)

São muitas as mulheres que sofrem de dores menstruais, a maior parte delas desnecessariamente, já que muitas são as dicas que podem ajudar a aliviar este martírio mensal.  O que são as dores menstruais (ou dismenorreia)?

As dores menstruais, ou dismenorreia como são medicamente conhecidas, são um problema de origem química.  Mensalmente, a parte que reveste o útero absorve certos químicos, as prostaglandinas.  Estes químicos ajudam o músculo do útero a fazer contrações, permitindo que tecidos e fluidos sejam expulsos durante a menstruação.  Quando estes químicos existem em excesso, provocam cólicas que afetam certas mulheres, umas mais que outras.

Enfatizamos que nossa função, no Cérebro Masculino, não é substituir os conselhos de seu médico. Ele deve ser consultado, para que você possa elucidar suas dúvidas e ter uma avaliação profissional correta sobre seu estado de saúde.

Não utilize a automedicação como solução para seus problemas, pois podem se agravar.

Nossa obrigação é a de informar, mas nunca substituir a consulta que deve ser efetuada com um profissional de sua confiança.

Consulte seu médico!

Alex Paranhos

Carioca, 62 anos, corpinho de 60 e cabeça de 50. Feliz e disposto a descobrir novas felicidades em cada momento da vida. Há algum tempo, com minha experiência e vivência, resolvi me dedicar a observar as coisas, pessoas e acontecimentos, ao meu redor, utilizando este conhecimento para melhorar minha qualidade de vida, junto às mulheres, amigos, parentes, colegas de trabalho e às vezes até com pessoas que pouco conheço, usando apenas informações. E acreditem se quiserem, não é que começou a dar certo. Acertava quase sempre, quando emitia uma opinião. No meu casamento então, funcionou que foi uma beleza. Aprendi a ouvir minha mulher em assuntos que antes considerava como exclusivamente meus. Não que não erre ou não me machuque. Sou normal, tenho qualidades e defeitos, mas consegui ter um índice grande de acertos, conseguindo assim evitar cenas em que a DR (discussão de relacionamento) iria para o buraco, senão definitivamente, pelo menos temporariamente. Minha mulher aprendeu a não só respeitar o que digo, como a observar como eu, tudo o que se encontra a sua volta. Casado há dois anos, depois de seduzido e sequestrado por uma baiana. Um metro e meio de pura sedução e gostosura. Vou repetir, estou feliz. Muito feliz. Três casamentos, quatro filhas e um casal de enteados dão-me a vivência necessária e suficiente para me associar ao Doutor Neurônio e participar deste blog. Afinal, graças às nove mulheres de minha vida (quatro mulheres - esposas -, quatro filhas e uma enteada), sem contar minha mãe e irmãs, posso garantir que ninguém conhece mais bolsas e sapatos que eu. Sei exatamente quase tudo o que elas querem, seus desejos de consumo, seus sonhos e até mesmo o tipo de surpresa causada por cada presente. Se chegarmos à parte de roupas íntimas, desde que conheci algumas marcas famosas (só dou as marcas se patrocinarem o blog), acho que sou quase imbatível. Maduro e consciente das necessidades delas vejo hoje a felicidade de minha mulher, quando saio com ela para as compras, seja para comprar uma maquilagem ou um biquini. Defendo a teoria que não vou deixar de olhar uma mulher bonita, mas que prefiro a honra de estar ao lado de uma igual ou melhor. Sei, também, que poder dar presentes é uma situação a que nem todos os homens estão dispostos ou disponíveis, indo desde a falta de dinheiro, fácil de entender, até a falta de interesse, que não é e nunca será aceita por ninguém, muito menos pela pessoa com quem ele se relaciona. O que custa levar uma bijuteria de R$ 2,00, para quem você ama? Sabe o que ela vai pensar? Que você não parou de pensar nela, e isto é bom para vocês dois. Com base no livro do terapeuta americano, John Gray, “Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus”, estou escrevendo “Eu Falo Venusiano”, onde procuro mostrar aos homens que depende deles, ou melhor, de nós, dar a quem amamos o máximo de felicidade que pudermos. As críticas ao comportamento masculino em alguns trechos são profundas e simples, como a lembrança da gentileza ao abrir a porta de um carro. Não importa se o controle remoto de seu carro é o mais moderno do mundo, quem deve abrir a porta do carro para ela entra, é você. Outro assunto abordado é por que mentir para conquistar alguém e quando consegue seu objetivo, mostrar que tudo não passou de uma mentira... Por quê? Se você lembrar que suas mentiras o levaram a atingir seu objetivo, nada como investir em fazer crescer o relacionamento que você fez de tudo para começar. Se entregar ou não no primeiro encontro levantou a maior polêmica entre as pessoas consultadas e entrevistadas. Este item me tomou muito tempo, pois foram quase 1.500 depoimentos. Uma população que me dava a base necessária para apoiar minhas teorias sobre o assunto. Quer saber? Compre e leia o livro. Em breve nas livrarias. Alex Paranhos

1 comentários No Ciclo Menstrual e TPM – Parte 2

Deixe uma resposta:

Your email address will not be published.