Expressão Corporal

Não desejo que haja qualquer dúvida, quanto a minha postura e comportamento em relação ao blog.

Sempre procuro dar o máximo de mim, seja em meus textos, em minhas pesquisas e no meu trabalho final.  Faço isso por dois motivos: em primeiro, porque sou um cobrador voraz de minhas atitudes, prezo a coerência e a perfeição (sei que erro, mas sou um perfeccionista em tudo o que faço), e em segundo, porque adoro ser reconhecido em tudo o que faço.  Esse trauma com reconhecimento é devido a vinte anos de serviço público, sem ser político e tentando ser um técnico comprometido com meu trabalho e com o país, que era meu empregador e patrão, o que não me acrescentou nada, a não ser três hérnias de disco, duas lombares e uma cervical que abrangia cinco vértebras, um recorde.

Algumas vezes, selecionei criteriosamente os textos que transcrevia, visando a satisfação de minhas leitoras.  Mas nem sempre sei se atingi meus objetivos, por isto é que preciso de você, minha leitora tímida.  É você quem vai me ajudar a melhorar a qualidade dos textos.  Mais sérios ou mais alegres?  Voce vai me ajudar a chegar lá.

Manifeste-se, participe, critique, diga que não gostou, e se possível, diga o porquê.  Ajude-me, pois assim poderei tentar fazer um blog cada dia melhor para você..

mda banner 2

Quando o Dr. Neurônio me pediu que escrevesse uma mensagem para as mães, a história da coca-cola veio imediatamente à minha cabeça e, em seguida, dei andamento no que desejava dizer a minha mãe e as outras mães, leitoras.

Não vou dizer que não gostei, mas perto do que já escrevi, achava fraco.  Digamos de bom para médio, por isto submeti ao grande chefe antes de publicar.

Surpresa!  Agradou mais do que pensava e ainda veio com um elogio, pedindo que escrevesse mais e pesquisasse menos, pois meus textos eram melhores.  Muito obrigado, doutor.  Subi ás nuvens!

Assim sendo, mesmo com o post pronto, resolvi escrever para vocês, leitoras já conhecidas, e vocês, leitoras que vou conhecer.


E o assunto de hoje tinha que ser o amor, a vida, nossos relacionamentos do dia-a-dia, nossa conduta, nossa resposta, enfim nossa postura perante tudo o que nos acontece.

Um gesto vale mais do que mil palavras.  Provavelmente você já ouviu esta frase, mas talvez não tenha se dado conta, do quanto ela é verdadeira.

Você sabia que 93% da comunicação humana é feita através de expressões faciais e movimentos do corpo?  Então, quando aprendemos a prestar atenção em nossa linguagem corporal, e a interpretar corretamente a dos outros, passamos a ter maior controle sobre as situações, pois podemos identificar sinais de abertura, de tédio, de atração ou de rivalidade e agir de forma adequada aos nossos objetivos.

Com um pouco de observação podemos explicar o significado de gestos que usamos no dia-a-dia, como cruzar os braços, coçar o nariz e balançar a cabeça, evitando os habituais mal-entendidos causados pela contradição entre o que dizem nossas palavras e nosso corpo.

Não seria fantástico se fôssemos capazes de ler a mente das pessoas? Não é preciso ter poderes mágicos para decifrar a verdadeira intenção por trás de sorrisos, gestos e expressões faciais. Basta aprender a interpretar corretamente a linguagem do corpo, identificando os sinais que demonstram abertura, desprezo, atração, indiferença, mentira e muito mais.

Baseados em modernas pesquisas científicas, os autores nos ensinam a ler nas entrelinhas e a detectar as contradições entre as palavras e os gestos das outras pessoas, assim como a controlar os movimentos do nosso próprio corpo e usá-los para conseguir o que desejamos.

Você vai aprender os segredos para causar uma boa primeira impressão e para se sair bem em entrevistas, negociações e relacioanmentos.

Quando entender o objetivo do que estou tentando esclerecer, você se sentirá como alguém que passou a vida inteira tateando dentro de um quarto escuro e, de repente, uma luz se acendeu e você passou a ver – e entender – tudo claramente.

Há três classes de movimentos observáveis: os faciais, gesticulares e os de postura. Embora possamos categorizar estes tipos de movimentos, a verdade é que estão fortemente entrelaçados, e muito frequentemente se torna difícil dar um significado a um, prescindindo dos outros.

Na comunicação verbal, sendo a linguagem o fator mais importante, reconhecemos que produzimos e recebemos uma quantidade muito grande de mensagens que não vêm expressas em palavras.  Estas mensagens são os que denominamos não verbais.

A comunicação não verbal, geralmente, mantém uma relação de interdependência com a interação verbal.

Com frequência as mensagens não verbais têm mais significação que as mensagens verbais.

Em uma situação comunicativa, a comunicação não verbal é inevitável.

Nas mensagens não verbais, prepondera a função expressiva ou emotiva sobre a referencial.

Em culturas diferentes, há sistemas não verbais diferentes.

Quando se  começou a estudar a comunicação não verbal, esta era dirigida ao pessoal de vendas, gerentes e executivos, mas mais tarde se foi ampliando de tal maneira, que toda pessoa, qualquer que seja sua vocação e sua posição social, pode usá-la para compreender melhor o acontecimento mais complexo que se apresenta na vida: o encontro cara a cara com outra pessoa.

Para a maioria de nós, a postura é um tema pouco agradável, sobre a maneira como nossa mãe costumava nos repreender. Mas para um psicanalista, a postura de um paciente, muitas vezes, constitui uma chave primordial sobre a natureza de seus problemas.

A postura é a chave não verbal mais fácil de descobrir, e observá-la pode ser muito interessante.

Com surpreendente frequência, as pessoas imitam as atitudes corporais de outras. Dois amigos se sentam exatamente da mesma maneira, a perna direita cruzada sobre a esquerda, por exemplo, e as mãos entrelaçadas atrás da cabeça; ou um deles o faz ao contrário, a perna esquerda cruzada sobre a direita, como se fosse uma imagem refletida em um espelho.  Denomina-se a esse fenômeno posturas congruentes.

Acredita-se que duas pessoas que compartilham um mesmo ponto de vista, acabam compartilhando também uma mesma postura.

Estudar a postura das pessoas, durante uma discussão, é extremamente interessante, já que muitas vezes poderemos detectar quem está a favor de quem, antes de que cada um fale.

Observa-se que as pessoas, que não se conhecem, evitam cuidadosamente adotar as mesmas posições.  A importância da imitação pode chegar a ser uma das lições mais significativas que podemos aprender, pois é a forma com que outros nos expressam que coincidem conosco ou que lhes agradamos.  Também é a forma com que comunicamos aos outros que realmente nos agradam.

Se um chefe deseja estabelecer rapidamente uma boa relação e criar um ambiente tranquilo com um empregado, basta copiar a postura deste para obter seus objetivos.

Da mesma maneira que as posturas congruentes expressam acordo, as não congruentes podem ser utilizadas para estabelecer distâncias psicológicas.

Ao ver um casal de jovens sentados, um ao lado do outro em um sofá.  A garota está olhando para o moço, que está sentado olhando para fora, os braços e as pernas como formando uma barreira entre ambos e este permanece sentado assim durante oito longos minutos e só de tempos em tempos vira a cabeça para a garota para falar com ela.  Ao término desse tempo, entra outra jovem no local e o moço fica de pé e sai com ela; mediante sua postura, tinha ficado estabelecido que a garota, que estava sentada a seu lado, não era seu par.

Algumas vezes, quando as pessoas se vêem forçadas a sentar-se muito juntas, inconscientemente desdobram seus braços e pernas como barreiras.

Dois homens, sentados muito juntos em um sofá, girarão o corpo levemente, e cruzarão as pernas de dentro para fora, ou porão uma mão ou um braço, para proteger o lado comum do rosto.

Um homem e uma mulher sentados frente a frente, a uma distância muito próxima, cruzarão os braços e talvez as pernas, e se virarão para trás em seus assentos.

A postura não é somente uma chave sobre o caráter, é também uma expressão da atitude.

Com efeito, muitos dos estudos psicológicos que se tem feito sobre a postura, a analisam, segundo o que revela a respeito dos sentimentos de um indivíduo, com respeito às pessoas que o rodeiam.

Um investigador observou que, quando um homem se inclina levemente para frente, com as costas um pouco encurvadas, provavelmente simpatiza com a pessoa que está com ele.

A postura é, como já dissemos, o elemento mais fácil de observar e de interpretar de todo o comportamento não verbal. De certo modo, é preocupante saber que alguns movimentos corporais, que tínhamos por arbitrários, são tão circunscritos, previsíveis e, às vezes, reveladores; mas por outra parte, é muito agradável saber que todo nosso corpo responde, continuamente, ao desenvolvimento de qualquer encontro humano.

Por exemplo, os vendedores, em casas de casais, devem observar os gestos dos cônjuges para ver, quem os inicia e quem os copia. Se o marido for o que mantém a conversação e a mulher não diz nada, mas você observa que ele copia os gestos da mulher, descobrirá que é ela quem decide e assina os cheques, assim, convém ao vendedor dirigir a conversa a ela.

Alex Paranhos

[email protected]

Siga o Cérebro Masculino no twitter: http://twitter.com/CerebroMasc e saiba instantaneamente quando o blog é atualizado.

Carioca, 62 anos, corpinho de 60 e cabeça de 50. Feliz e disposto a descobrir novas felicidades em cada momento da vida. Há algum tempo, com minha experiência e vivência, resolvi me dedicar a observar as coisas, pessoas e acontecimentos, ao meu redor, utilizando este conhecimento para melhorar minha qualidade de vida, junto às mulheres, amigos, parentes, colegas de trabalho e às vezes até com pessoas que pouco conheço, usando apenas informações. E acreditem se quiserem, não é que começou a dar certo. Acertava quase sempre, quando emitia uma opinião. No meu casamento então, funcionou que foi uma beleza. Aprendi a ouvir minha mulher em assuntos que antes considerava como exclusivamente meus. Não que não erre ou não me machuque. Sou normal, tenho qualidades e defeitos, mas consegui ter um índice grande de acertos, conseguindo assim evitar cenas em que a DR (discussão de relacionamento) iria para o buraco, senão definitivamente, pelo menos temporariamente. Minha mulher aprendeu a não só respeitar o que digo, como a observar como eu, tudo o que se encontra a sua volta. Casado há dois anos, depois de seduzido e sequestrado por uma baiana. Um metro e meio de pura sedução e gostosura. Vou repetir, estou feliz. Muito feliz. Três casamentos, quatro filhas e um casal de enteados dão-me a vivência necessária e suficiente para me associar ao Doutor Neurônio e participar deste blog. Afinal, graças às nove mulheres de minha vida (quatro mulheres - esposas -, quatro filhas e uma enteada), sem contar minha mãe e irmãs, posso garantir que ninguém conhece mais bolsas e sapatos que eu. Sei exatamente quase tudo o que elas querem, seus desejos de consumo, seus sonhos e até mesmo o tipo de surpresa causada por cada presente. Se chegarmos à parte de roupas íntimas, desde que conheci algumas marcas famosas (só dou as marcas se patrocinarem o blog), acho que sou quase imbatível. Maduro e consciente das necessidades delas vejo hoje a felicidade de minha mulher, quando saio com ela para as compras, seja para comprar uma maquilagem ou um biquini. Defendo a teoria que não vou deixar de olhar uma mulher bonita, mas que prefiro a honra de estar ao lado de uma igual ou melhor. Sei, também, que poder dar presentes é uma situação a que nem todos os homens estão dispostos ou disponíveis, indo desde a falta de dinheiro, fácil de entender, até a falta de interesse, que não é e nunca será aceita por ninguém, muito menos pela pessoa com quem ele se relaciona. O que custa levar uma bijuteria de R$ 2,00, para quem você ama? Sabe o que ela vai pensar? Que você não parou de pensar nela, e isto é bom para vocês dois. Com base no livro do terapeuta americano, John Gray, “Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus”, estou escrevendo “Eu Falo Venusiano”, onde procuro mostrar aos homens que depende deles, ou melhor, de nós, dar a quem amamos o máximo de felicidade que pudermos. As críticas ao comportamento masculino em alguns trechos são profundas e simples, como a lembrança da gentileza ao abrir a porta de um carro. Não importa se o controle remoto de seu carro é o mais moderno do mundo, quem deve abrir a porta do carro para ela entra, é você. Outro assunto abordado é por que mentir para conquistar alguém e quando consegue seu objetivo, mostrar que tudo não passou de uma mentira... Por quê? Se você lembrar que suas mentiras o levaram a atingir seu objetivo, nada como investir em fazer crescer o relacionamento que você fez de tudo para começar. Se entregar ou não no primeiro encontro levantou a maior polêmica entre as pessoas consultadas e entrevistadas. Este item me tomou muito tempo, pois foram quase 1.500 depoimentos. Uma população que me dava a base necessária para apoiar minhas teorias sobre o assunto. Quer saber? Compre e leia o livro. Em breve nas livrarias. Alex Paranhos

6 comentários No Expressão Corporal

  • Eu achei muito bom o texto, interessante. Só que esperava encontrar definições de gestos corporais mais explícitos, como quando alguém roe as unhas, é porque, ela está ansiosa.

  • Sem ser politicamente correto. O texto esta um pouco fraco. Pode ser melhorado. Isso em comparação ao que já li. Está faltando mais informações basicas sobre a nossa postura, bem como, posição dos braços. Esperei encontrar alguma coisa a respeito das expressões durante uma negociação.

  • Adorei o texto!

    Dê continuidade sim, por favor.
    Me interesso bastante pelo assunto.

    Abraço

  • Com certeza, na continuação, teremos outros aspectos da expressão corporal, como expressões faciais e gesticulares.
    Obrigado pelo apoio.

  • Muito bom o texto! Ainda mais pra mim que adoro ler e estudar sobre esse assunto!
    Bem que poderia ter uma continuação, não é? hehe

Deixe uma resposta:

Your email address will not be published.