The One: O que podemos aprender sobre relacionamentos com a série

Já parou para pensar se você pudesse encontrar o amor da sua vida com base no seu DNA?  

É exatamente essa a proposta da série “The One” do Netflix. 

Vou fazer o máximo possível para falar o que podemos refletir sobre a série sem dar spoiler. 

Resumo

Na série existe uma empresa que combina as pessoas com base no DNA. Tem toda uma explicação científica para isso, mas ninguém se importa.

mda banner 2

Com essa combinação, segundo a empresa, você encontra “The One”, expressão que significa basicamente “a pessoa certa” para você. 

Funciona?

Quando duas pessoas que foram combinadas se encontram realmente a química, conexão e tensão sexual são absurdas. 

O sentimento é até como se já conhecessem um ao outro. 

Que ótimo! Então todos se apaixonam e vivem felizes para sempre… 

Será? 

Bem…  

 

Ao ir a um encontro já acreditando que a outra pessoa é perfeita, você se abre completamente e fica 100% vulnerável.  

Você tira todas as “defesas” e também o bom senso e idealiza tanto a pessoa que apaixona-se naquele mesmo encontro. 

Inclusive é provável que você já tenha ido a um encontro com esse sentimento e querendo namorar com o cara. Qual foi o fim disso?

 

Bem, voltando aqui:

Mas isso não é bom? Duas pessoas se apaixonarem loucamente em um único encontro?

Chega de jogos de sedução, frustrações e todo aquele tempo de espera. Todos poderiam se entregar de cara, pois já saberiam que a outra pessoa é “the one”.

Bem, se a outra pessoa for boa, tiver os mesmos sonhos, padrões e valores que você sim. 

Afinal, não é só o amor e a compatibilidade que sustentam uma relação. Tem vários outros fatores, como os citados no parágrafo acima.

 

Vamos a alguns exemplos:

A pessoa é compatível com você, mas curte fazer troca de casais e você não. E aí?

Tudo bem, vamos para algo menos radical, você é uma pessoa que quer estabilidade na vida, quer fazer um concurso público e morar na mesma cidade dos seus familiares para sempre.

Já ele quer ser nômade digital e viver viajando o mundo. Um dos dois seria infeliz.

Ou quem sabe ele quer filhos e você não.

Se você tem muito forte o valor da honestidade e ele prefere o “jeitinho brasileiro”.

Eu poderia continuar por horas, mas já deu para entender, não é?

Tem outro fator bem relevante: a outra pessoa e for solteira. 

 

Não tinha pensado nisso, Alexandre.

 

Vamos continuar:

Também tem o fato de pessoas casadas que fazem o teste e largariam tudo porque tem outra pessoa mais compatível.

Fora que ser compatível com alguém e até encontrar o amor da sua vida não muda o seu caráter.

Na série tem pessoas que foram “combinadas”, mas continuam traindo, pois isso faz parte do caráter (ou falta dele) delas. 

Também não podemos esquecer do outro lado, de uma pessoa casada ficar extremamente insegura e fazer o teste usando o DNA do companheiro para saber quem seria “the one” dele. 

E aí ficar paranóica. 

É uma ideia cheia de boas intenções, mas como falei acima, só a compatibilidade não é o suficiente para fazer uma relação duradoura e feliz. 

Qual a sua opinião sobre isso? Ter o teste seria algo bom ou ruim?

Um amigo que fala a realidade na cara, sem mimimi ou enrolação. Conta a mais pura e simples verdade, doa a quem doer.

4 comentários No The One: O que podemos aprender sobre relacionamentos com a série

  • Hanelore Voigt

    Ridículo Imos ser infelizes não haveria expectativa ,seria como comprar algo ,, não uma relação humana seria meio robótico e sem graça , o amor tá diversidade e descobertas , o que faz o coração acelerar .

  • Ivone Janete Bósio

    Nunca se necessitou de DNA para saber se é bom ou ruim em toda minha existencia. Creio que existe uma coisa que todos devem fazer, “conversar” se houver diálogo, haverá entendimento, se ha entendimento há compreensão. E os dois fazendo tudo juntos. Haverá paz e harmonia entre ambos. Mas, os dois devem desejar e aplicar os princípios que chamo se ( princípios morais) aí a coisa flui de forma pacífica. Eu veio assim, porém é óbvio que tem mais envolvido …

  • Maria do Rosário

    Bom dia!
    Um tanto esquezito, na minha opinião pode ser bom se a pessoa for solteira e quiser ter uma idéia para um relacionamento, desde que não esqueça dos outros aspectos que envolve um relacionamento, como caráter, propósitos de vida que não estão no DNA. E se for casado já é ruim, pq alguém assim faria esse teste, não está feliz na relação?

  • Mari Bolanhos

    Bom mesmo é ouvir Wasting Love da Iron Maiden . Dream on, sisters, I hope you find the one. E torcer pro sonho não acabar em pesadelo.

Deixe uma resposta:

Your email address will not be published.